Governo do Estado do Rio Grande do Sul
Início do conteúdo

Atualização da 8ª semana do distanciamento controlado

6 Regiões com Bandeira Vermelha na oitava semana do Distanciamento Controlado

Publicação:

Imagem distanciamento controlado
Imagem distanciamento controlado

Na oitava rodada do distanciamento controlado, seis regiões do Rio Grande do Sul estão em bandeira vermelha (risco epidemiológico alto), decorrente da piora nos indicadores de propagação da Covid-19 e da capacidade de atendimento do sistema de saúde.

Nesta segunda-feira (29/06) foi divulgado o mapa definitivo.

Situação no mapa:

As regiões classificadas com bandeira vermelha são Porto Alegre, Canoas, Novo Hamburgo, Capão da Canoa, Passo Fundo e Santo Ângelo. 
Somente duas regiões estão classificadas com bandeira amarela: Taquara e Bagé e o restante          (12 regiões) classificadas em bandeira laranja.

A vigência começa à 0h desta terça-feira (30/6) e se encerra às 23h59 da próxima segunda-feira (6/7).

• PORTO ALEGRE
Observa-se crescimento tanto do número de internados em UTI por SRAG no último dia, que variou de 118 para 163 entre as duas semanas, quanto no de internados em UTI confirmados para Covid, passando de 80 para 124.

Os indicadores de Estágio da Evolução na Região e de Incidência de Novos Casos sobre a População também pressionam a situação de bandeira final. O indicador de hospitalizações confirmadas para Covid-19 registradas nos últimos sete dias por 100 mil habitantes atingiu bandeira preta nesta rodada.

 CANOAS
Na Região de Canoas, os registros de hospitalizações confirmadas para Covid-19 cresceram 58% entre as duas semanas, passando de 26 para 41. O crescimento da última semana acompanha a tendência que levou a região à bandeira vermelha na rodada passada, pois se trata da velocidade do avanço da pandemia e dos efeitos que podem permanecer por mais semanas.

Da mesma forma, na região, o número de internados em UTI por SRAG no último dia passou de 25 para 31 entre as duas semanas. Para o indicador de internados em UTI confirmados para Covid, o crescimento foi de 36%, variando de 14 para 19. Com relação ao número de pacientes Covid-19 em leitos clínicos, o aumento foi de 83%, (de 23 para 42 internados).

Na razão entre os casos ativos na semana e recuperados nos 50 dias, o indicador se manteve em bandeira preta. No caso do número de hospitalizações confirmadas para Covid-19 nos últimos sete dias para cada 100 mil habitantes, o indicador foi de bandeira vermelha para bandeira laranja.

• NOVO HAMBURGO
Assim como nas demais regiões metropolitanas (com exceção de Taquara), a manutenção de bandeira vermelha também é observada na de Novo Hamburgo. Apesar de o número de hospitalizações ter crescido menos que as demais regiões metropolitanas, a dimensão, quando comparada por 100 mil habitantes, ainda é bastante elevada, indicando uma alta prevalência na região – indicador de maior valor entre todas as regiões. Com isso, os indicadores de Estágio da Evolução e de Incidência de Novos Casos sobre a População, que são mensurados com base na região, apresentam bandeira preta.

No comparativo de hospitalizações confirmadas para Covid-19 registradas nos últimos sete dias, entre as duas últimas semanas, houve um aumento de 11% (as hospitalizações foram de 64 para 71) na região. A ocupação de leitos clínicos e de UTI, para SRAG ou confirmados para Covid-19, tiveram aumentos entre as duas semanas, contribuindo com o agravamento dos indicadores da macrorregião.

 CAPÃO DA CANOA
Capão da Canoa apresentou crescimento em três variáveis utilizadas para mensurar o avanço da doença. As hospitalizações confirmadas para Covid-19 registrada nos últimos sete dias na região passou de 14 para 21 entre as duas semanas. Apesar de o aumento na ocupação de leitos clínicos ter sido de 183%, no quesito de velocidade de avanço, a região foi afetada conjuntamente pela deterioração da macrorregião.

Os três indicadores de Estágio da Evolução e de Incidência de Novos Casos sobre a População apresentaram situação de bandeira preta, demonstrando a gravidade tanto da macro quanto da região em si.

 PASSO FUNDO
Com o quadro se agravando em praticamente todos os indicadores do modelo, Passo Fundo ingressa na bandeira vermelha ao atingir 46 pacientes com SRAG ocupando leitos de UTI. Na semana anterior eram 36 casos. A mesma situação se verificou para diagnosticados com a Covid-19: o número de internados em UTI passou de 24 para 29 pessoas.

Um dos reflexos para a região está na redução dos leitos de UTI disponíveis, que caiu de 32 para 27 unidades. Passo Fundo e municípios próximos somaram 377 casos ativos na última semana, o que ampliou o total de hospitalizações por Covid-19 no acumulado de sete dias: eram 43 e passou para 53 registros. Os casos de infecção pelo vírus no último dia do levantamento somaram 40 pacientes, quando na semana anterior eram 36.

 SANTO ANGÊLO
A região de Santo Ângelo teve o grau de risco aumentado, sendo classificada com bandeira final vermelha. O fato que impulsionou essa mudança foi que todos os indicadores que são específicos para a região de saúde apresentaram a cor preta: variação semanal no número de novas hospitalizações por Covid-19 (houve crescimento de 90%, variando de 10 para 19); estágio da evolução (são 35 ativos na última semana frente a 45 recuperados nos 50 dias antes do início da semana); número de hospitalizações de confirmados por Covid-19 para cada 100.000 habitantes (foram 6,58 na última semana ante 2,77 na semana anterior) e projeção do número de óbitos (nas duas últimas semanas o número de óbitos cresceu de 1 para 10, e a projeção é de que o número de óbitos semanal seja de 7,7 em um prazo de duas semanas).

Soma-se aos números acima o aumento de 41% de internados confirmados por Covid-19 em leitos clínicos, o que levou toda a macrorregião para a bandeira vermelha nesse indicador.

 

Segue abaixo o mapa com as bandeiras da Oitava semana:

Mapa da oitava semana de distanciamento controlado
Mapa da oitava semana de distanciamento controlado

Segue abaixo os mapas das semana anteriores:

Caso tenha dúvida, entenda como funciona o distanciamento controlado.
Com base em evidências científicas e análise de dados, o modelo de Distanciamento Controlado – que está oficialmente em vigor desde 10 de maio em todo o Rio Grande do Sul – tem o objetivo de equilibrar a prioridade de preservação da vida com uma retomada econômica responsável.

Para isso, o governo dividiu o Estado em 20 regiões e mapeou 105 atividades econômicas. A partir de um cálculo que leva em conta 11 indicadores, segmentados em dois grupos – propagação do vírus e capacidade de atendimento de saúde –, determinou a aplicação de regras (chamados de protocolos) mais ou menos restritas para cada segmento de acordo com o risco calculado para cada região.

Conforme o resultado do cruzamento de dados divulgados de forma transparente, cada local recebe uma bandeira nas cores amarela (risco baixo), laranja (risco médio), vermelha (risco alto) ou preta (risco altíssimo).

Saiba mais sobre a oitava semana do Distanciamento controlado (CLIQUE AQUI)

Para maior conhecimento do Distanciamento Controlado acesse o link da página da Central do Cidadão e acesse o site do governo que explica como funciona a estratégia do governo.

Central do Cidadão